Monthly Archives: Novembro 2009

Da saudade

Um homem solitário caminha a passos largos para a saudade. Na ausência da companhia de todos os dias, volta sempre aos mesmos  lugares, para fazer as mesmíssimas coisas. Nesta repetição, procura o que não tem naquele momento. Agasalha-se e desce à praia. Esquece-se por momentos do vento que o despenteia e encontra nos barcos do costume motivos para mais umas fotografias. Antes de lá chegar já sabia que ia encontrar o Os Dragões, em óbvios tons de azul e branco, o Irmãos Unidos, o Herança de Deus e o Estrela da Noite. Enquanto o frio não chega aos ossos, por ali anda de máquina em punho.
(fossem as fotografias como os antigos cromos de futebol, e teria centenas delas para trocar. repetidas)
Imagina as histórias que cada um daqueles barcos já deve ter para contar, dias de mar cão, noites de rezas e lágrimas. Também noites de faina grande, de praia cheia ao amanhecer. Hoje são pouco mais que uma dezena na areia e uma meia dúzia a fazer-se às vagas. Respeita aquele espaço mesmo sem ter experimentado essa difícil existência salgada.
A saudade pode ser coisa crónica, mas naquele lugar é Aguda.

Anúncios
Com as etiquetas , ,

Overdose

Liguei a televisão e apanhei uma overdose de Eduardo Sá. Não sei de que falava, uma vez que levei cerca de trinta segundos a encontrar o comando e mudar de canal. Uma overdose não é uma dose grande, mas sim uma dose excessiva. Neste caso, foram trinta segundos.

Com as etiquetas ,

Do ser e parecer

Era muito rico. Era também um galã. Assim que a sua fortuna se desfez, deixou de ser rico e de parecer galã.

Com as etiquetas ,

Bohemian Rhapsody

Depois de aqui ter deixado Andrew Bird com uma versão de um tema do famoso sapo Cocas (Kermit), deixo agora uma versão de um tema dos Queen na voz dos marretas (The Muppet Show).

[Via Tsururadio]
Com as etiquetas ,

Por momentos pensei que estava a ler Bolaño…

… mas não, era só o Público. E o cenário é Portugal.

Com as etiquetas ,

Do amor

My kingdom for a kiss upon her shoulder

Lover, You Should’ve Come Over, Jeff Buckley

[A recuperar, aos poucos, uma categoria de entradas da anterior morada deste blogue.]

Com as etiquetas ,

Matthew Ryan – Some streets lead nowhere

Há um blogue que poucas vezes me falha nas sugestões musicais que faz. ~Smansmith (assim mesmo, com o ~) é um canadiano que partilha com os seus leitores a música de que gosta. Slowcoustic diz quase tudo da sonoridade que por lá se pode encontrar.
Desta vez, destaco aqui Matthew Ryan com o tema Some streets lead nowhere, do seu mais recente álbum Dear Lover.
http://slowcoustic.com/wp-content/uploads/2009/11/Some-Streets-Lead-Nowhere.mp3″

Com as etiquetas ,

Dr. House #1

[Série 1, Episódio 2 | A propósito da não vacinação de um bebé, com o pretexto de se tratar de um negócio das farmacêuticas.]
Com as etiquetas , ,

Explicação dos pássaros

You put a big bird in a small cage it’ll sing you a song

Big bird in a small cage, Patrick Watson
Com as etiquetas ,

Ce n’est pas facile d’être vert

Que é praticamente o mesmo que Kermit, o sapo, cantava no original It’s not easy being green. O marreta deste tema é presença constante nesta página. O sempre genial Andrew Bird.

[O original pode ser encontrado facilmente no youtube.]

Com as etiquetas , ,

A posta no Meireles

Raul Meireles está para muitos adeptos do FC Porto como o aluno de nota cinco está para muitos professores. Quando se ficam pelo quatro, são chamados à atenção. Ainda que ao companheiro de carteira, aluno de nota dois, nada se diga.

Com as etiquetas

Marchar, marchar

Ficou carimbada esta noite a passagem de Portugal para a fase final do Mundial da África do Sul. O jogo não foi brilhante – teve dois, três momentos dignos dessa adjectivação -, mas mostrou uma equipa concentrada e unida. O adversário, as condições do terreno e o ambiente  exigiam que se falhasse pouco, coisa que aconteceu. Na defesa moraram dois centrais acertados e destemidos nos consecutivos choques com a possante linha avançada da Bósnia. Paulo Ferreira recuperou de um jogo sofrido na Luz. O muro que há cerca de vinte anos desapareceu em Berlim bem podia ter sido Pepe. Depois, tendo havido acerto por parte de toda a equipa, há ainda lugar a uma referência individual: Raul Meireles. Inteligente, joga e faz jogar, equilibra a equipa e desequilibra o adversário. Completíssimo.
Voltando ao importante, o Verão vai ter outro interesse, com Portugal em mais uma fase final de um Campeonato do Mundo.

[Dava dez euritos para ver Džeko no meu clube.]
Com as etiquetas , ,

Da verdade

Use the truth as a weapon to beat up all your friends

In These Arms, The Swell Season
Com as etiquetas , ,

O banqueiro anarquista

Enquanto a leitura de 2666 continua a não ter final à vista, houve tempo para uma rápida leitura dos dois primeiros livros de Fernando Pessoa oferecidos pelo jornal i, às sextas. Sobre A mensagem, ainda que reconhecendo genialidade em muito do que li, nada direi. Da poesia para a prosa, onde me sinto bem melhor, cheguei a O banqueiro anarquista. E se a escrita de Pessoa é simples e bem estruturada, a clarividência da argumentação e o método de construção são de tal forma consistentes que a aparente contradição do título desta obra se desmorona antes do meio do livro. Banqueiro e anarquista só aquando da leitura do título me pareceram palavras antagónicas.
A referida colecção do i terá dez obras e pelo menos um leitor atento.

Com as etiquetas , ,

Dias chuvosos

[Via Slowcoustic]

Com as etiquetas ,

Relatório de ausência

Foram três dias na Seganosa, num Curso de Combate a Incêndios de nível um. Teve extintores, fogos de classe A, B e C, fogos de exterior e interior, ARICA  e resgate de vítimas. Apesar da partida em cima da hora, o balanço é mais que positivo. Experiência fantástica e que me leva a respeitar ainda mais o trabalho dos bombeiros.

Com as etiquetas , ,

Dos regressos

O regresso faz-se sempre com atraso.

Com as etiquetas

Das partidas

Ter que partir sem aviso prévio torna ainda mais difícil arrumar a saudade na bagagem.

Com as etiquetas

Classe pura

Qual o melhor golo que vi? Pus-me a pensar neste assunto depois de a mesma pergunta ter sido feita a Carlos Queiroz. O futebol já me deu a ver imensas coisas fantásticas, mas não me lembro de um momento de maior classe que este. Como se não bastasse, este holandês que tinha medo de voar tem mais uma dezena de golos de grande nível.

[Outras sugestões serão bem recebidas.]
Com as etiquetas ,

Vox populi

Evitam-se os apertos de mão, mas para pegar no dinheiro ninguém tem medo do raio da gripe.

Com as etiquetas
%d bloggers like this: