A desordem natural das coisas

Tinha-me lançado há pouco em mais um livro de Delillo. Acontece que, ainda ia eu muito no início da leitura, me chega pelo correio o tão aguardado Para onde vão os guarda-chuvas, de Afonso Cruz. Foi-me impossível manter a ordem das coisas e terminar o livro que tinha em mãos. Delillo é um homem de setenta e seis anos e já terá pouco a aprender sobre paciência. Saberá esperar. Afonso Cruz é um jovem e está cheio de pressa. Traz livros carregados de maravilhas. Este tem uma capa linda, um título curioso, uma excelente encadernação, ilustrações fantásticas e umas centenas de páginas de uma das mais originais vozes portuguesas da actualidade. Ninguém pode aguardar assim carregado.

Advertisements
Com as etiquetas , ,

2 thoughts on “A desordem natural das coisas

  1. Impossível de resistir, de facto…
    Há dias desfolhei-o na livraria e tive de fazer um esforço enorme para não comprar e ir a correr para casa lê-lo. Valeu um motivo de força maior: “Pastoral Americana” (a excelente sugestão que o Carriço me deu há uns tempos).

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: