Curso de cultura geral

Curso de Cultura Geral é um programa da RTP2, apresentado por Anabela Mota Ribeiro, em que os convidados – normalmente, três por episódio – elaboram uma lista de dez coisas que que lhes foram culturalmente marcantes. Confesso que sinto que a apresentadora conduz o programa de uma forma que o torna algo pretensioso – o próprio nome não ajuda -, mas acho o conceito bem interessante.
Há dias, vi que o meu amigo Menphis tinha listado os seus dez itens, e fiquei tentado a repetir aqui o exercício. Foi só tempo de arranjar tempo para isso:

  • António Lobo Antunes, sem mencionar um livro específico ou referir as crónicas, mas pela importância que a  sua voz teve em mim, estranha no início, viciante pouco depois. Por essa altura, chegou a dar-se o caso de ler vários livros do autor de seguida. Ninguém faz uso tão perfeito das metáforas e ninguém escreve tão bem Portugal. Ler Lobo Antunes é ir à identidade do país através das personagens e dos detalhes que as constroem.

    … fotografia nenhuma e os buracos dos preguinhos emoldurando os rectângulos mais claros da nossa ausência.

  • In the mood for love, porque é um autêntico poema visual. Dos ritmos, à banda sonora, à fotografia, tudo se encaixa harmoniosamente. É um filme para contemplação, não é um filme para quem tem pressa que aconteça. Há quem se entretenha a enumerar três razões que fazem deste filme a maravilha que é, eu prefiro aceitá-las todas.
  • Crime e Castigo, por ser um livro em que cada página pede com urgência a página seguinte, difícil de interromper, mas essencialmente pela forma brilhante como Dostoiévski explora os estados de espírito das personagens, como as analisa. Tive que me questionar e examinar algumas vezes. Ensinou-me que é possível, pelo menos em papel, que me apiede de um assassino. Que me preocupe, até.

    Todo o mistério da vida cabe em duas folhas de papel.

  • Andrew Bird, é difícil de explicar porque é uma questão de identificação pessoal. Desde que o descobri que sinto que muito do que faz é para mim. Mesmo quando tenho de andar às aranhas para perceber determinadas letras, como já aconteceu. É o processo de criação em camadas, é o preenchimento de todos os silêncios, tudo me faz aproximar mais da música. O primeiro contacto deu-se com Weather Systems e a conversão total aconteceu com The Mysterious Production of Eggs. Armchair Apocrypha, não sendo o melhor que Bird já fez, foi a sonoridade certa, no momento certo da minha vida. Naturalmente, já teve trabalhos que me entusiasmaram menos, mas há sempre qualquer coisa que os eleva. Assobiemos o último Are You Serious?
  • A vida secreta das palavras, foi um filme especial pela ocasião e pela intensidade. Um filme passado numa plataforma petrolífera tem que ser um filme voltado para dentro, para as personagens. Não há muitas alternativas. E é precisamente ao aprofundar as personagens, ao romper as suas defesas naturais e ao tirar-lhes o que de mais íntimo têm, que o filme se revela poderoso. A acentuar-lhe essa força, há ainda na banda sonora do filme o incrível Hope There’s Someone, de Antony and The Johnsons.

    – I thought um, you and I, maybe we could go away somewhere. Together. One of these days. Today. Right now. Come with me.
    – No, I don’t think that’s going to be possible.
    – Why not?
    – Um, because I think that if we go away to someplace together, I’m afraid that, ah, one day, maybe not today, maybe, maybe not tomorrow either, but one day suddenly, I may begin to cry and cry so very much that nothing or nobody can stop me and the tears will fill the room and I won’t be able to breath and I will pull you down with me and we’ll both drown.
    – I’ll learn how to swim, Hanna. I swear, I’ll learn how to swim.

  • Grace, a minha resposta à famosa questão de que álbum levaria para uma ilha deserta. É maravilhoso quando anda no registo em que mais habitualmente se encaixam as minhas preferências musicais, como em Lilac Wine, em Lover, You Should’ve Come Over, ou em Hallelujah, mas é também maravilhoso quando sobe de tom em Last Goodbye e volta a subir em Dream Brother, ou Eternal Life. Depois há Mojo Pin, que tem só no nome o suficiente para me ser especialmente próxima. Perdeu-se tanto coma despedida prematura de Jeff Buckley. Tanto.
  • A minha primeira (e actual) máquina fotográfica digna desse nome. Embora hoje dispare incomparavelmente mais com recurso ao telemóvel, foi essa máquina que mudou a minha forma de olhar para tudo. Passei a ver a mesma coisa de várias formas – a mesma coisa tantas coisas diferentes -, o detalhe no que há de mais banal. O mundo passou a ser mais mundo.

    A mesma coisa tantas coisas diferentes

  • O fabuloso destino de Amélie Poulain, um filme que é a apologia das pequenas coisas que fazem grande diferença. A jovem Amélie é uma maravilha de uma personagem que procura a felicidade para todos, enquanto faz tímidos avanços na busca da sua própria felicidade. Um filme para transpor para a vida.
  • Antony and The Johnsons (antes de ser Anohni) no Theatro Circo, em Braga. Tendo-o visto novamente no Coliseu do Porto, uns anos depois, e tendo sido muito bom, a verdade é que a atmosfera do Theatro Circo, a menor divulgação do músico nessa altura, a minha própria expectativa por nunca o ter visto ao vivo, todos esses factores contribuíram para uma experiência invulgar. O concerto incluiu uma apresentação de Charles Atlas, TURNING, muito condizente com as questões de género levantadas pelo álbum, que vestiu na perfeição a sonoridade daquela noite. Foi arrebatador. Do início ao fim, com o já referido Hope There’s Someone, Fistful of Love e todos os temas que fizeram de  I Am a Bird Now um álbum tão aclamado, responsável pela condução de Antony ao Mercury Prize. A sala parecia suspensa e confirmou-se isso mesmo em I Fell in Love With a Dead Boy, quando o tema se interrompe por uns largos segundos (no vídeo abaixo, acontece por volta de 1:45) e nem as respirações se conseguiam ouvir.
  • Os blogs, que trouxeram uma forma de partilha acessível a todos, páginas fáceis de gerir e actualizar. Já lá vão uns bons anos, já lá vão os melhores anos, mas a influência que os blogs tiveram em mim perdurará. Foi  nessa rede a que se chamou de blogosfera que descobri muitos músicos, livros e autores que, por limitação de escolhas, não consegui listar aqui. Foram tantos os que me abriram horizontes.
    • O Código de Barras tem referência obrigatória. Muita partilha e descoberta musical, essencialmente, mas não só. Depois a descoberta de interesses comuns. E depois a descoberta da vida em comum;
    • O Scotch Gin and Soda, outro dos que começou por partilha de interesses e se estendeu à esfera pessoal, à vida. O responsável por este exercício, por exemplo;
    • Os muitos blogs do meu amigo António Reis, alguns já extintos, que escreve a reclamar (e a merecer!!) ser publicado em papel. Ainda se pode encontrar em Solicitações, em 1974, em bookspotting, em Caderno Preto, em Animais Domésticos, em a pequena história do grande mundo… Pode parecer muito, mas sabe sempre a pouco;
    • O mais maravilhoso de sempre, As Ruínas Circulares, do João Pedro da Costa. Tudo era de uma originalidade e brilhantismo singulares, neste blog. Recordo que conheci através dele, pelo menos, M. Ward e os Coelhos Suicidas de Andy Riley. Pelo menos. Recordo até posts específicos, como o de uma simples ida ao café, onde passa a transmissão de um jogo de futebol que vai sendo “sabotada” por um estafeta que acompanha o jogo pelo rádio e vai antecipando os acontecimentos. Era genial e chegou a dar livro;
    •  Os que me foram guiando as leituras, como o Bibliotecário de Babel, do crítico José Mário Silva, o Horas Extraordinárias, da editora Maria do Rosário Pedreira e, mais recentemente, O Planeta Livro, do cativante Mário Rufino, que é crítico, mas que é, acima disso, muito boa gente (recomendou-me mais vezes do que mereci, fez-me o favor de conseguir um autógrafo de Juan Marsé para o meu exemplar do delicioso Rabos de Lagartixa…). Não foram os únicos, mas terão sido os que mais contribuíram para a direcção que as minhas leituras foram seguindo. Na impossibilidade de, numa lista dez itens, fazer justiça à literatura que mais me marcou, ficam aqui muito bem alguns dos meus guias literários;
    • Os vários blogs do crítico, poeta, cinéfilo e mil e uma outras coisas Pedro Mexia. Recordo o Estado Civil, O Malparado e o Lei Seca. Todos ao serviço da cultura.

Este tipo de listas deixa sempre um amargo de boca pelo que não se consegue referir. A mim, custam-me especialmente alguns livros e escritores, que não refiro para não desvirtuar a ideia inicial. Custa-me muito um músico, que não aponto pelos mesmos motivos. No que diz respeito a filmes, sinto-me satisfeito com as escolhas.
Isto não sou exactamente eu, mas já diz qualquer coisa sobre mim.

Anúncios
Com as etiquetas ,

6 thoughts on “Curso de cultura geral

  1. Pedro diz:

    Tão bom, tão bom este post. Obrigado pela partilha!

    Liked by 1 person

  2. Pedro diz:

    Ok, estou a fazer o texto, mas aviso já que vou copiar 1 ou 2 escolhas…

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: