Arde o musgo cinzento

Arde o musgo cinzentoThor Vilhjálmsson, escritor islandês, tinha na pintura outra das suas paixões. Li-o numa das badanas do livro e confirmei-o durante a narrativa. A história que serve de base a este romance, um crime verídico, tem tudo para prender o leitor, mas há uma abundância de descrições de paisagens, de verdadeiras pinturas feitas por palavras, que acabam por afastar. Apesar de bem escrito, apesar de espelhar a dureza e crueldade da trama na muitas vezes inóspita natureza islandesa, é excessivo. O que podia resultar num livro intenso, para leitura vertiginosa, acaba por ser uma experiência cansativa. Thor Vilhjálmsson tem uma escrita rica e muito visual, mas a economia de palavras é, algumas vezes, um trunfo menosprezado – A morte de Ivan Illitch, poderoso pequeno livro,  é exemplo que uso muitas vezes a este propósito. Dizer menos é, às vezes, dizer mais. A este Arde o musgo cinzento, não faziam falta cerca de uma centena de páginas que, ainda que bem escritas, prejudicam o livro.

Advertisements
Com as etiquetas ,

2 thoughts on “Arde o musgo cinzento

  1. Rui Dantas diz:

    Parabéns pelo blog, que descobri há pouco tempo.
    Parece que foi o Pascal que disse “peço desculpa pela carta longa, mas não tive tempo de escrever uma mais curta”, o que se aplica em muito casos.. 😉

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: