Category Archives: Vício da bola

Défice de atenção

O futebol em Portugal são duas equipas a jogar para ganhar e mil olhos numa terceira equipa.

Anúncios
Com as etiquetas

Conta-me como foi…

Em banda desenhada, como merecem os heróis, numa história que também pareceu saída de um almanaque. Eis a vitória de Portugal no Euro 2016: união, esforço, crença e, é preciso dizê-lo, competência. Um colectivo em que as individualidades surgiram apenas quando foi necessário – até os mais improváveis! Tudo isto e sorte, que não é fácil lembrar de um campeão sem sorte.

Se podíamos ter jogado um futebol mais bonito? Podíamos, mas não conseguimos. E para esse peditório já demos muitas vezes. Faltava ganhar!

Com as etiquetas , ,

A bíblia do desporto

se a bola não percebe de livre e espontânea vontade que o benfica não está à altura dos seus sonhos, tem de ser obrigada a isso. tem de haver uma lei que a obrigue a falar apenas do porto e a glorificar o porto, até que sejamos todos portistas e regozijemos com as suas vitórias e comecemos a trabalhar alegremente a cada vitória do clube do norte, porque os seus jogadores assim o merecem e porque assim estaremos novamente a investir no país. não entendem. tem de ser. não faz sentido uma nação de gente que sofre por um perdedor obrigado a ganhar. é masoquismo. há que desistir de utopias parvas, dessas que facilmente são substituídas por outras hipóteses, como sucedâneos perfeitos. perfeitos, até melhores.

valter humo mãe, a máquina de fazer espanhóis

Com as etiquetas ,

Ééééééééééé o número 10…

Obrigado pela magia!

Com as etiquetas , ,

Da outra bola

Uma vez que as bolas milionárias não quiseram nada com o meu boletim, voltemos à bola de futebol e façamos uma espécie de previsão.
Se o FC Porto, depois do ânimo que constituiu a reviravolta na tabela classificativa da semana passada, não conseguir chegar à Mata Real e vencer, qualquer que seja o incentivo adversário, não merece ser campeão. Ponto final.
Se os dragões vencerem a equipa da capital do móvel, então são uns mais que justos campeões. Terão, nesse caso, conquistado o título sem qualquer derrota e vencendo o adversário directo na fase crucial da prova. Se isto não fosse prova suficiente da regularidade da equipa, poder-se-ia ainda acrescentar que a equipa, para o campeonato, somou uma derrota em três épocas.
Está dito o essencial. Role a bola.

Com as etiquetas

Bolas milionárias

Para os que me perguntam se no Domingo é para festejar, tenho a dizer que preferia fazê-lo hoje.

Com as etiquetas ,

Misturem-se escritores, títulos de livros e futebol

É a receita do dia.

Com as etiquetas

Jogo atípico

Esta noite, o FC Porto foi ao Estoril fazer um jogo atípico porque 1) quase perdia, coisa que não acontecia naquele estádio há trinta e cinco anos, 2) não vi o jogo e, acredite quem quiser, 3) consegui ver dois dos quatro golos em directo, um na TVI e o outro na SIC.

Com as etiquetas ,

Armado em olheiro III

André Carrillo
Nos pés não falta nada, a cabeça ditará o futuro.

Com as etiquetas , ,

Armado em olheiro II

Salim Cissé
Olho para o que joga e para a idade que tem. Pede atenção.

Com as etiquetas , ,

Armado em olheiro

Alex Sandro
Vai dar craque.

Com as etiquetas , ,

Quando for pequenino…

… quero jogar como o Moutinho.

Com as etiquetas

Justa homenagem

Com as etiquetas ,

Campanha brilhante

20120706-080208.jpg
O Esporte Clube Vitória vai arrancar a época sem o vermelho das suas camisolas. Ao longo da época, consoante a quantidade de sangue que forem conseguindo recolher, vão recuperando o vermelho risca a risca. O futebol também serve para isto.

Com as etiquetas ,

A poesia da derrota

A poesia da derrota
Excerto de crónica de Manuel Jorge Marmelo à Revista 2.
(A qualidade da imagem, péssima, é a possível.)

Com as etiquetas , ,

Portugal

Fomos muito competentes. Só faltou uma pontinha de brilhantismo para passarmos. Provámos que era possível. Que se lixem as vitórias morais e que se felicite o vencedor, que tem uma belíssima equipa. Fomos mais longe do que a nossa realidade deixa prever, porque tivemos alma. Bento não tem, nem de perto, o toque de Midas. Moutinho ter falhado o penalty tirou-me uma dúvida que me assaltou durante 120 minutos: afinal, é mesmo humano.

Com as etiquetas ,

Jogar fora das quatro linhas

20120614-080004.jpg
Mais fotografias no sempre aconselhável The Big Picture.

Com as etiquetas ,

Sucessões perfeitas [II]


A culpa é da menina que, ao oferecer-me as primeiras, descobriu o que os meus pés queriam.
Com as etiquetas ,

Acreditar

Acreditar é um verbo tramado de conjugar quando a terceira pessoa do singular é Vítor Pereira, mas que justifica o risco se pensarmos que a primeira pessoa do plural é Porto.

Com as etiquetas , ,
%d bloggers like this: